.

.

domingo, 29 de janeiro de 2017

ARTIGO DE OPINIÃO: Jantar Vínico “O Tejo à Mesa”

Por: Rodolfo Colhe
Presidente da Juventude Socialista
 Alpiarcense


Tenho pena que a generalidade da população não tenha mais interesse por política, não só porque acho que seria óptimo para a nossa democracia e para o nosso país, bem como criaria indivíduos e empregadores bem diferentes do Nuno Carvalho. Nuno quem? Pensarão muitos e com muita razão mas outros mais atentos saberão que se trata de um dos “patrões” da Padaria Portuguesa e um dos mais recentes defensores da liberalização do mercado do trabalho e provavelmente também da escravatura, até porque se o Dr. Passos Coelho acha excessivo a subida do ordenado mínimo tudo é possível e é de facto graças a posições como as tomadas recentemente pelo PSD e do CDS que levam a que muitos não se interessem por política. Talvez, as suas palavras o levem a perder muita clientela e sinceramente não sinto pena alguma. No entanto esta semana dei de caras com um bom exemplo que apesar de tardio e eleitoralista, mas não deixa de ser de salutar e, refiro-me à colocação de abrigos nas paragens de autocarros nos lugares do concelho, uma medida que servirá toda a população em especial as crianças, os jovens e os idosos. Mas os mais atentos lembrar-se-ão que foi um vereador do Partido Socialista que já há bastante tempo referiu a necessidade de colocação desses mesmos abrigos nesses mesmos sítios. Este é, claramente, um dos casos que passam ao lado dos menos atentos e que favorecem os maus políticos e as más políticas. A população mais atenta, sabe que as melhores propostas, e diria até únicas propostas feitas em reunião de câmara partiram sempre de um vereador do PS (pouco agressivos dizem uns, construtivos digo eu).
Se há coisa que é verdade na política autárquica e regional é, sem dúvida, a necessidade dos seus intervenientes serem multifacetados e conhecedores de diferentes áreas. É verdade que algumas não recebem a atenção necessária ou até nenhuma. Uma das temáticas onde sinto isso é a do vinho e da sua importância para as autarquias. Nos tempos que correm o vinho é um dos produtos mais apreciados a nível mundial e que marca terreno não só a nível económico como turístico, sendo que os vinhos portugueses são neste momento super reconhecidos a nível mundial tal como o nosso enoturismo. O Alentejo e o Douro criaram uma marca que só por si vende a nível nacional como internacional. Mas então e os vinhos do Tejo? Não é a nossa história de produtores tão longa como a de outras zonas? Não temos produtores a tão larga escala? Não são os nossos vinhos de tão elevada qualidade? Eu responderia que sim a todas e acrescentaria que de facto essa qualidade já se sente em muitos concelhos do nosso distrito e em boa parte também por boas políticas autárquicas para a promoção do produto. Mas há uma pergunta a qual a minha resposta não seria afirmativa, sabemos defender os nossos vinhos? Não só não sabemos como pouco se tem feito para aprender a faze-lo e é no sentido de contrariar isso que as Juventudes Socialistas de Alpiarça, Almeirim e Cartaxo irão realizar no dia 4 de Fevereiro no restaurante “Os Arcos” em Alpiarça, o Jantar Vínico “O Tejo à Mesa”, onde pretendemos possibilitar um momento de aprendizagem e convívio onde os vinhos do Tejo serão o centro das atenções. Durante esta iniciativa não só se falará sobre a importância do vinho como também existirá a possibilidade de provar 3 vinhos brancos e 3 vinhos tintos (um de cada uma das concelhias envolvidas) acompanhados por um enólogo e provador de renome nacional. Em mais um momento a JS vai demonstrar a sua sensibilidade política e vai ajudar a promover um produto que tanto nos diz.



Sem comentários:

Enviar um comentário