.

.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

A “QUEDA” DE ALPIARÇA COM O “25 DE ABRIL” FOI UM TOTAL DESCALABRO

Por: Virgilio Vidigal

Alpiarça chegou a ser um dos concelhos mais ricos da região. Tinha uma grande indústria e muito comércio que dava trabalho a quase toda a população.

Para além desta indústria e comércio tinha ainda grandes casas agrícolas que praticamente garantiam trabalho a todos os alpiarcenses
Quando do ‘Golpe Militar’ em 25 de Abril de 1974 e nos meses seguintes Alpiarça sofreria um profundo golpe.
Dava-se o inicio da queda e a destruição de tudo que tornava Alpiarça uma terra produtiva e rica.
A esquerda de então, o PCP, encarregou-se de acabar praticamente com todas as grandes casas agrícolas que eram o pilar de muitas famílias.
Quase todas foram ocupadas pelos comunistas para depois serem transformadas em Cooperativas a mando dos trabalhadores que lá trabalhavam que deixaram de ser empregados/trabalhadores para passarem a ser cooperativistas o que noutras palavras quer dizer “novos donos” ou “patrões”.


Cooperativistas que passaram a ser os  “novos donos” ou “patrões” de quase toda a mão de obra alpiarcense

Hoje nenhuma existe como não existe indústria e comércio em Alpiarça.
Resta como símbolo do PCP a ‘Agroalpiarça’ uma cooperativa que sobrevive a ‘balões de oxigénio’ cujo ar é fornecido pelo maior acionista, a Câmara Municipal de Alpiarça.

«Foto de Ricardo Hipólito»

Noutras palavras: quer dizer que são todos os alpiarcenses que sustentam a continuação daquilo que já não devia existir.
Com a “Queda de Alpiarça” em termos de indústria e comércio (até população tem vindo a diminuir) O PCP/CDU governou durante décadas para tudo continuar na mesma, isto é: a indústria e o comércio em vez de aumentar foi deixando de existir.
Seguidamente tivemos os socialistas na governação autárquica mas tudo continuou na mesma, salvo um edifício novo aqui, outro acolá e outro além.
Quer o PCP quer o PS não conseguiram fazer nada para que Alpiarça voltasse a ser uma “terra rica” quer em termos industriais quer no comércio.
Ambas as forças políticas contribuíram para que Alpiarça continue a ser um autêntico “marasmo”.
Estamos em ano de eleições.
É altura indicada para que os alpiarcenses encontrem uma ‘fórmula mágica” para acabar com este marasmo ou pessoas certas para o lugar certo que consigam dar a volta à situação em que nos encontramos.
Felizmente ou infelizmente, tudo indica que Alpiarça vai continuar no marasmo em que se encontra.
A classe política local continua a agradecer a passividade dos alpiarcenses


Sem comentários:

Enviar um comentário