segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

SARA MARQUES COSTA ELEITA REPRESENTANTE DA JS NA COMISSÃO NACIONAL DO PS


Este fim-de-semana realizou-se o XXI Congresso Nacional da Juventude Socialista em Almada, que elegeu a Maria Begonha como secretária-geral da JS, que desde já congratulamos e fazemos votos que sejam 2 anos de muito e bom trabalho em prol dos jovens portugueses.
A Juventude Socialista de Tomar saiu reforçada, com a eleição da camarada Sara Marques Costa (atual Presidente de concelhia) como representante da Juventude Socialista, para a Comissão Nacional do Partido Socialista, que assim se junta, ao já eleito Hugo Costa (Presidente da concelhia do PS Tomar).
Tomar conta assim com dois nomes neste órgão nacional.
Propusemos ainda, que fosse atribuído o estatuto de militante honorário aos camaradas: Susana Faria, atual deputada municipal pelo PS e ex-presidente de concelhia da JS Tomar, Ricardo Simões membro do executivo da Junta de Freguesia Urbana, que se juntam ao Nuno Ferreira e Hugo Costa, já indicados nesta liderança de concelhia. Este estatuto, é atribuído aqueles que por razão de idade já deixaram a estrutura, e traduz-se no reconhecimento e louvor pelo trabalho realizado nesta instituição.
Realçamos ainda a presença de uma comitiva significativa neste Congresso, composta por: Duarte Carvalho e Diogo Sereno como delegados, David Sousa por inerência e Sara Marques Costa que levou a Congresso uma Moção Setorial com o mote "Movimento Alternativo às Praxes".

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

ALGO VAI MAL NO "REINO” DE ALPIARÇA

(*)


A Câmara contratar um empresa para fazer e apresentar um “PLANO DE VALORIZAÇÃO TURÍSTICA DE ALPIARÇA” e depois ter o seu “Posto de Turismo” encerrado e o espaço que o rodeia, das duas uma:

OS ELEITOS AUTÁRQUICOS DE ALPIARÇA  NÃO TEM NOÇÃO DO QUE ESTÃO A FAZER,

OU:

ALGO VAI MAL NO “NOSSO REINO”

Noticia relacionada:


(*) foto ilustrativa

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Este era o primeiro Natal da Pipas!



A mãe passava os dias inteiros na cozinha, havia uma árvore gigantesca dentro de casa e as crianças tinham pendurado meias junto à lareira. O que será que irá mais acontecer...?
Uma história calorosa e divertida que captura a magia (e o caos) do Natal!
Venham juntar-se a nós para ouverem esta bela história de Natal!
Dia 15 de Dezembro pelas 16h30, para pais e para os filhos.

ARTIGO DE OPINIÃO: Radicalismos não

Por:
Rodolfo Colhe



Radicalismos não


Se há coisa que me parece de todo importante é sem dúvida a aceitação das diferenças sejam elas de que tipo for, de opinião, de religião, sexual ou simplesmente de cor partidária. Todas essas diferenças devem ser respeitadas até se tornarem radicalistas e aí perdem o respeito da maioria.
Os exemplos de radicalismo chegam de várias formas vindos de diferentes quadrantes, uns dão apenas vontade de rir outros preocupam bastante mais e merecem ser combatidos.
Esta semana a grande maioria dos meios de comunicação pelo menos os online passaram a notícia de uma associação supostamente relevante na proteção dos animais, a PETA, que pretende que sejam alterados ditados populares que consideram ser “ofensivos” tendo a comunicação social dado principal destaque á troca "pegar o touro pelos cornos" por "pegar as flores pelos espinhos" ou "matar dois coelhos de uma cajadada" por "alimentar dois coelhos com uma queijada". Na minha opinião acho ridículo não só por estes ditados nada terem que ver com agressão a animais mas principalmente por alguém achar que pode alterar ditados com dezenas ou até centenas de anos por não concordar com eles.
No sábado o semanário Expresso informa que o PAN aderiu de alguma forma á campanha e pretende retirar os animais dos provérbios. Com todo o respeito que todos os partidos democráticos merecem, o PAN já está a passar os limites do populismo. Veremos como isso se repercute nas urnas.
Este não será certamente o grande mal do mundo no entanto é, sem dúvida, uma chegada ao extremo que trará do lado contrário posições igualmente extremadas, como tem sido visível nas caixas de comentários das diferentes notícias divulgadas. O facto de achar isto ridículo não me dá o direito de ofender quem o defende, dá-me sim material para contestar e argumentar contra algo com o qual não concordo.
Esta notícia numa escala de 0 a 20 não merece da minha parte mais do que 4 numa escala de atenção, mas o que disse é para mim válido para qualquer radicalismo, desde aqueles que dão vontade de rir aqueles que são verdadeiramente perigosos.

sábado, 8 de dezembro de 2018

INVESTIMENTOS LOCAIS DE QUEM ACREDITA QUE ALPIARÇA TEM CONDIÇÕES PARA SER UMA GRANDE TERRA


PARA HAVER MAIS INVESTIMENTOS DESTE TIPO OS ELEITOS DEVERIAM APOIAR  QUEM INVESTE LOCALMENTE.
INFELIZMENTE NEM SEMPRE ASSIM ACONTECE

SFA - Patinagem de Velocidade


De. Ana Paula Marques

No passado dia 25 de novembro a SFA 1º de Dezembro participou com 9 patinadores, 4 masculinos e 5 femininos, no Torneio da Amizade em Alenquer.

Os patinadores Tomás Laureano (Bambi), Afonso Ferreira (Infantil) e Letícia Baptista (Iniciada) fizeram a sua estreia em provas de patinagem de velocidade. A Patinadora Ariana Duarte (Escolar) alcançou o 2º lugar, Joana Duarte (Infantil) alcançou o 12º lugar, Ana Teresa Marques (Iniciada) 5º lugar, João Miguel Henriques (Iniciado) 4º lugar Inês Maria (Cadete) 3º lugar e Guilherme Marques (Iniciado) 1º lugar.

O Torneio da Amizade é uma organização das Associações de Patinagem do Ribatejo, Leiria e Lisboa e destina-se a desenvolver a Patinagem de Velocidade, sendo também ideal para os jovens patinadores que estão a iniciar a sua prática nesta modalidade.

Mais importante do que os lugares que conseguimos alcançar no pódio foi o convívio, a diversão, a interação com outros clubes participantes e acima de tudo aprendermos os valores do desporto.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

TEM LAREIRA EM CASA? OS BOMBEIROS TÊM UM 'RECADO' PARA SI




Iniciativa não é inédita, mas os bombeiros sublinham a sua importância pois através da prevenção se salvam vidas.

As temperaturas baixas típicas de um final de outono e início de inverno convidam à utilização da lareira e de outro tipo de equipamentos de aquecimento.

 No entanto, há que ter em conta que esta opção acarreta riscos para os quais as pessoas devem estar preparadas, não só para os evitar, como também para os identificar.

Por essa razão, os bombeiros lançaram uma campanha de sensibilização para a época natalícia deste ano. 

Chama-se ‘Lareira Segura, Família Protegida’ e visa alertar as pessoas para o perigo que representa para a vida a inalação de monóxido de carbono.

Mas não só. A campanha, que está a ser publicitada no Facebook, onde refere ainda quais são os sintomas e as consequências da inalação de monóxido de carbono.

Assim, os bombeiros avisam que os sintomas a que deve estar atento, e que são sinónimo de intoxicação por monóxido de carbono são dores de cabeça, vómitos, falta de ar e falta de força.

Perante a presença destes sinónimos, o que deve fazer é “abrir portas e janelas” para assim ventilar rapidamente a habitação. De seguida deve abandonar o local contaminado e dirigir-se ao hospital mais próximo.

Não se esqueça de ter em atenção o estado dos materiais utilizados, seja gás, lenha ou motores
«NM»

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

"COISAS" QUE ENVERGONHAM OS ALPIARCENSES

Local: Espaço de Lazer junto das Piscinas Municipais



 "COLUNAS IMPERFEITAS"
Já vai para alguns anos que assim se encontram.
Por mais alguns anos assim ficarão.
Apenas desleixe por parte de quem deveria cuidar da coisa pública.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

ALPIARÇA: UMA TERRA DE TURISMO




O SONHO DA CONCRETIZAÇÃO DO PLANO DE VALORIZAÇÃO TURÍSTICA DE ALPIARÇA

Estive quase três horas a ver e ouvir a apresentação do “Plano de Valorização Turística de Alpiarça” que a Câmara  levou a efeito hoje no Auditório da Biblioteca Municipal de Alpiarça.

Gostei do vi e ouvi.

Mas…

Um plano que visa a valorização do património cultural e turismo do concelho  que deverá ser feito em articulação com outros concelhos da Lezíria do Tejo já que nos falta meios para que possamos ter a nossa identidade própria.

Seja como for se o plano fosse por diante muito mudaria em Alpiarça e digo se o “plano fosse por diante” porque não acredito que alguma vez se concretize na forma em como foi apresentado e muito menos nos “dozes anos de validade” do dito.

Como disse a minha colega de bancada: “Deus queira que se realize”.

Só que Deus não vai querer porque será aos homens do burgo que competirá a concretização do plano.

E onde estão os homens ou a comunidade alpiarcense para que participe nas ideias apresentadas?

Sem esta comunidade,

Sem empresários,

 Sem homens com ideias,

 Sem estruturas de apoio,

Sem comércio,

 Sem alojamentos,

Sem gastronomia local,

Sem investidores,

Sem nada…de nada… e com a população a diminuir…

Às vezes quando anúncio que “Alpiarça é a terra mais linda do mundo” ou  convido  os meus leitores  a virem até à vila saborear o melhor que tem, mostrando o que era “tradição” pergunto a mim mesmo:

“Onde estão estes mimos;

Onde estão estes pratos e esta doçaria tipicamente alpiarcense?”

Em lado nenhum!

Mas ao mesmo tempo sinto-me feliz comigo próprio porque dou a conhecer aos quatro cantos do mundo que a minha terra é a melhor do mundo.

Resta-nos e, em face do apresentado, encostar-nos aos concelhos vizinhos virados para o Sul e vivermos à sombra dos mesmos.

Até na apresentação do “Plano de Valorização Turística de Alpiarça” a comunidade ligada ao turismo e restauração esteve praticamente ausente.

Contavam-se pelos dedos de uma mão os que lá estavam.

Seja como for está de parabéns a autarquia pelo plano que “encomendou” e que nos apresentou.

Não estou a ser pessimista mas realista porque conheço - como conheço as palmas das minhas mãos -  a minha terra e a gente que dela  toma conta e porque sei que este plano não passará de uma ideia que me fez sonhar durante todo o tempo que lá estive.

Como disse a minha colega de bancada: “ Queira Deus que se realize…”

INTERNET - Desafios de uma Nova Era

Por: Manuel Costa

Lamentava-se há dias um amigo de longa data que,"o Face é uma máquina nojenta de manipulação". Eu diria que toda a Internet é um pau de dois bicos e pode ser manipulada, a partir do momento que nos ligamos a um browser qualquer, com mais ou menos segurança. Falo naturalmente dos PC,s (computadores pessoais) e outras máquinas portáteis de comunicação que todos usamos diariamente. Há alguns anos que venho estudando o fenómeno "hacker" e "reverse engineering" ligado às tecnologias de informação,streaming de dados, efeitos positivos e negativos dos chamados cookies e outras invasões mais ou menos disfarçadas, nestas pequenas máquinas de realidade virtual que vieram alterar os nossos hábitos e mesmo as nossas vidas. Primeiro, por razões profissionais que começaram em terras de Sua Majestade nos anos 90, depois por simples prazer de investigação nesta área da informática. A propósito dos exércitos invasores e atacantes da web que podem influenciar eleições em países como os Estados Unidos da América, denominados de hackers e crackers, hoje tão banalizados, dizia-me na altura o meu amigo Peter, um jovem engenheiro de sistemas russo, perito em Redes Digitais, que pertencia a uma empresa contratada para incrementar uma reforma profunda na rede de computadores sob a minha responsabilidade, dentro do Navio Cruzeiro Seawing Crown: " Manuel, para fazermos frente ao inimigo é fundamental conhecer as suas próprias armas, hábitos, tácticas e manhas". Na altura pensei que o Peter estivesse a exagerar e que a coisa não fosse assim tão ameaçadora e grave. Estava enganado. Anos mais tarde e já onshore, pensando naquelas palavras e observando diariamente a realidade da Web, tenho vindo a constatar que a Internet está efectivamente a tornar-se num verdadeiro "Cabaret da Coxa". Tenho alertado de certa forma alguns amigos para o problema e o cuidado que se deve ter ao lidar com esta coisa dos bits e dos bytes, hexadecimais e consequentes jogos (às vezes perigosos) de algoritmos. A resposta tem sido de algum cepticismo relativamente aos meus "conselhos" e "advertências" no sentido de salvaguardar tudo o que é importante para lugar seguro e separado do PC. Dizem os mais "afoitos" que, se fosse assim tão grave, a "coisa" seria mais falada. E que..."entre tantos milhões de utilizadores, seria um grande azar serem eles os escolhidos pelos supostos invasores", etc. etc. Não sabem que muitos internautas vêem apagados ou encriptados ficheiros inteiros de fotografias e outros documentos importantes, muitas vezes com ameaças e pedidos de resgate que atingem somas avultadas. Todos os dias há transferências fraudulentas de dinheiros pertencentes a determinadas contas bancárias pelo mundo fora e, os bancos sem grandes alaridos como convém, repõem o dinheiro do cliente quando dão pela marosca ou quando são avisados da situação pelos respectivos lesados. Logicamente para não causar desconfiança e pânico no sistema bancário, já que poderia ser pior a "emenda que o soneto". Sendo certo que, os funcionários bancários custariam muito mais que estes "desvios" aleatórios, na óptica dos banqueiros. Muitos utilizadores, para não se darem ao trabalho de teclar umas letras, uns números ou símbolos, cada vez que abrem a conta em determinado browser, memorizam lá as passwords para ser depois mais rápido o acesso...depois, queixam-se que tiveram azar. Não acreditam que o terreno que mal conhecem, está literalmente "minado" de Vírus, Spywares, Malwares, Trojans, Worms, Keyloggers, Dialers, Rootkits, Exploits e milhares de outros mutantes que são disseminados quer por descuido em testes de estudo e programação, quer por brincadeiras juvenis ou intenções criminosas, o que é mais grave. Não quero acreditar que alguns destes vírus tenham sido fabricados e propagados por quem já tem a "vacina" contra eles. Seria fazer a panela e logo o testo para ela! E para muitos programas maliciosos não há antivirus que lhes valha. Ultimamente apareceram os Zbots e Zitmos que quando "escondidos" no PC ou Móvel e alguém faz uma transferência bancária,reenviam o TAN (transaction authentication number) aos mentores do cybercrime. Mas, para muita gente que até se considera "perita em TI" e com total domínio dos vários sistemas operativos, continua a assobiar para o lado como se nada estivesse a acontecer. Até quando? Até serem eles próprios os "escolhidos"! De qualquer forma e apesar das medidas "anti-fishing" levadas a cabo pelos bancos, empresas dos mais variados sectores e outros organismos públicos e privados, o jogo do rato e do gato está aí para durar, reinventando todos os dias novas formas de invasão digital; novas maneiras de "furar" o SISTEMA, por muitas muralhas que se ergam. Esse é o papel da "Engenharia Reversa" que, no fim de contas, ajuda a detectar as fragilidades (bugs) dos vários OS (Sistemas Operativos) que instalamos nos nossos PC,s, Minis, Tablets e Smartphones para assim poderem ser alterados e devidamente corrigidos. O que não podemos perder de vista, é que a Internet trouxe-nos muitos benefícios efectivos, mas também muitas preocupações reais e fundadas de diagnóstico reservado. E aqui está o grande desafio tecnológico e jurídico para a primeira metade do século XXI.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

"O Natal pelas nossas mãos" - Trenó de Natal




Exposição “O Natal pelas nossas mãos”, iniciativa que tem como propósito estimular a criatividade e imaginário dos artistas e artesãos alpiarcenses. Para o período natalício que se avizinha, propomo-nos efectuar uma exposição com várias abordagens estéticas relativamente ao tema escolhido para esta edição:  "Trenó de Natal".
.
A exposição decorrerá de 
10 de dezembro de 2018 a 7 de janeiro de 2019 no átrio da Biblioteca Municipal.
.
A entrega dos trabalhos deverá ser feita até 
6 de dezembro.

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

MUNICÍPIO DE ALPIARÇA APROVA OPERAÇÃO DE SUBSTITUIÇÃO DE DÍVIDA EM CONDIÇÕES VANTAJOSAS COM JUROS MUITO MAIS BAIXOS E REDUÇÃO DE CUSTOS


. sem aumento do endividamento municipal
. diminui o serviço da dívida
. liberta verbas para o funcionamento regular, o pagamento de compromissos assumidos, a melhoria global dos serviços a prestar à população e o investimento na realização de projectos importantes para os Alpiarcenses

A Assembleia Municipal de Alpiarça, sob proposta da Câmara Municipal, aprovou uma operação de substituição de dívida no valor de 3.305.346,48€ através da liquidação antecipada do empréstimo de saneamento financeiro em vigor contratado ao Banco Santander em 2011 (que tem uma taxa de “spread” de 3,50%) e a sua substituição por um novo empréstimo contratado ao Banco BPI, com um “spread” muito mais baixo de 1,25%, num prazo de 12 anos.
A concretização deste processo, sem aumento do endividamento municipal, irá possibilitar a diminuição do peso anual do serviço da dívida e criar as condições para libertação de verbas para o funcionamento regular, o pagamento de compromissos assumidos, a melhoria global dos serviços a prestar à população e o investimento na realização de projectos importantes para os alpiarcenses nos próximos anos.
Esta operação é objectivamente muito vantajosa para o Município e para a população de Alpiarça.
A proposta da Câmara foi aprovada na Assembleia Municipal por maioria, com 9 votos a favor (eleitos da CDU e eleito do PSD/CDS/MPT) e com 7 abstenções dos eleitos do PS.
Todo o processo, que foi preparado ao abrigo e no respeito pela legislação em vigor – lei nº 73/2013 e lei nº 114/2017 –, será submetido à análise e visto prévio do Tribunal de Contas.
Ao longo dos últimos 8 anos a dívida do Município de Alpiarça diminuiu 43,5%% (passou de 13.330.000,00€ em 2009 para 7.539.442,38€ à data de hoje (a dívida total do Município de Alpiarça foi diminuída em – 5.790.558,00€). O rácio de endividamento passou do valor astronómico de 270% em 2009 para um valor actual de 143%, ou seja, já abaixo dos limites do endividamento excessivo definido pela lei das finanças locais.
Assim, a aprovação desta operação constitui-se, a par do rumo geral de uma gestão autárquica cuidada e rigorosa que se procura manter, como um novo passo fundamental no processo de recuperação financeira do Município de Alpiarça e de criação de condições para o desenvolvimento do concelho que tem vindo a ser prosseguido nos últimos anos.
Câmara Municipal de Alpiarça 
28 de Novembro de 2018

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
PROPOSTA APROVADA

SUBSTITUIÇÃO DE DÍVIDA - PROPOSTA DE AUTORIZAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE UM EMPRÉSTIMO DE
MÉDIO E LONGO PRAZO, ATÉ AO LIMITE DE EUR 3.305.346,48.


Considerando que:

1. No início do mandato de 2009-2013 o município de Alpiarça encontrava-se numa situação de
desequilíbrio estrutural, apresentando uma dívida de 12,4 milhões de €(M€), dos quais 4,9 M€ de dívida de curto prazo. Esta situação conduziu à elaboração e aprovação de um PSF, que conduziu à obtenção, em 2011, de um empréstimo de 6,135 M€. Contudo, ao longo da elaboração do plano percebeu-se que existia dívida por registar, pelo que concluído o processo de assunção da dívida total, o município chegou ao final de 2011 com uma dívida de 13,5M€ dos quais 1,1ME de curto prazo;

2. Ao longo deste período o município tem reduzido substancialmente a sua dívida, tendo encerrado o exercício de 2017 com uma dívida total inferior a 8,5 M€, com 1,9M€ de curto prazo;
3. Embora, ao longo de 6 anos, a dívida tenha sido reduzida, em 37% e, face à Lei 73/2013 (REFALEI) o exercício de 2017 foi encerrado com a dívida total ligeiramente acima do limiar, ao apresentar um rácio de 152% e prevendo-se que no final de 2018 se situe na ordem dos 143%, sendo que a pressão da dívida não financeira e principalmente do serviço da dívida do empréstimo de saneamento, esta constitui uma condicionante muito forte ao desempenho do município;
4. Face aos meios que é necessário libertar para o serviço da dívida do saneamento a evolução da dívida não financeira continua a evoluir negativamente, prevendo-se que no final de 2018 seja de, pelo menos, 2,1 M€, provocando claramente uma situação de desequilíbrio conjuntural.
5. A dívida de curto prazo, para além do seu crescimento, torna-se cada vez mais difícil de gerir, face à crescente dificuldade de satisfazer os pagamentos em áreas vitais, como combustíveis, fornecimento de refeições escolares, seguros, segurança, material de manutenção e alguns trabalhos especializados, sendo que por outro lado a dívida de resíduos torna-se cada vez mais difícil de manter, o mesmo acontecendo com a dívida de energia;
6. O orçamento de estado para 2018, nb seu artigo 1019 prevê a possibilidade dos Municípios fazerem operações de substituição de dívida, em determinadas condições;
7. Essa substituição irá permitir qué o Município se liberte da pressão de pagamento da divida financeira, canalizando fundos para a diminuição da divida não financeira;
8. A Lei n2 73/2013, de 3 de setembro (que aprova o Regime Financeiro das Autarquias Locais), no n2l do artigo 512, diz que o financiamento bancário de médio e longo prazo pode ser contraído para aplicação em investimentos ou ainda para proceder de acordo com os mecanismos de recuperação financeira municipal;
9. O novo Regime Financeiro das Autarquias Locais fixa, no seu artigo 529, um conceito de dívida total, dado pelo conjunto dos passivos a 31 de dezembro de cada ano, tendo por referência 1,5 vezes a média da receita corrente líquida cobrada nos três exercícios anteriores;
10. A instrução das propostas de empréstimo, nos termos artigo 25.2 do Regime Jurídico das autarquias Locais, aprovado pela Lei n.s 75/2013, de 12 de setembro, «são obrigatoriamente acompanhadas de informação detalhada sobre as condições propostas por, no mínimo, três instituições de crédito, bem como do mapa. demonstrativo da capacidade de endividamento do município», i.e., são acompanhadas de informação detalhada sobre as condições apresentadas pelos bancos consultados;
11. Foi feita uma consulta à banca e analisadas as propostas recebidas, conforme Anexo I, que se junta e é parte integrante desta Proposta, sumariando-se neste as condições fundamentais de contratação que se perspetiva necessária;
12. Junta-se a demonstração da dívida total, assente numa estimativa de fecho de ano - Anexo II - também parte integrante desta Proposta;
13. A decisão final de contratação do empréstimo é, nos termos do artigo 49e da Lei 73/2013 de 3 de setembro, conjugado com o disposto da alínea f) do artigo 25e da lei 75/2013 de 12 de setembro, da competência da Assembleia Municipal;
14. Da análise feita resulta que a proposta mais favorável ao Município é a apresentada pelo Banco BP1. SA, como resulta do Anexo I supra mencionado.
Assim, tenho a honra de propor que a Câmara delibere:
Nos termos do disposto na alínea ccc) do n9 1 do artigo 339 do Regime Jurídico das Autarquias Locais, aprovado pela Lei n9 75/2013, de 12 de setembro, aprovar e submeter à Assembleia Municipal para que este órgão, nos termos do disposto na alínea f) do n9 1 do artigo 259 daquele Regime Jurídico, autorize a contratação deste financiamento junto do Banco BPI, SA, que apresentou a proposta mais vantajosa para o Município, conforme análise constante do Anexo I.
Paços do Concelho de Alpiarça, 12 de novembro de 2018
O Presidente da Câmara
Mário Fernando Atracado Pereira

Ciclo de Exposições "Gentes da Nossa Terra"




O Município de Alpiarça, vai encerrar o ciclo de exposições "Gentes da Nossa Terra" com a entrega de diplomas aos artistas participantes.

Recorde-se que este ciclo teve início em Janeiro de 2018 e contou com um artista local por mês, na área do desenho ou pintura. 

Foram meses de descoberta, tanto para alguns artistas que nunca tinham exposto os seus trabalhos, como para o público que teve oportunidade de conhecer alguns artistas alpiarcenses.

Assim, Domingo, dia 2 de dezembro pelas 16h00 iremos assistir à abertura da exposição "Intimidades" do artista alpiarcense Fernando Branco, seguindo-se a entrega dos diplomas a todos os participantes.

O ciclo de exposições "Gentes da Nossa Terra" terá continuidade no próximo ano, com algumas novidades mas sempre com o intuito de promover os artistas locais.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

BARRAGEM DOS PATUDOS: UM LOCAL PARA TODOS E NÃO UMA EXCLUSIVIDADE PARA PESCADORES




A Vereadora Sónia Sanfona deve ser a única eleita que defende com “unhas e dentes” os interesses de Alpiarça com saliência para com o espaço da Barragem dos Patudos.

Um espaço mal aproveitado e mal explorado por causa do seu sub-aproveitamento.

A vereadora socialista foi bem clara quando afirmou ao executivo da CDU  que esta situação deve-se  talvez a dois presumíveis pontos:

O executivo da CDU não ter “grande capacidade” para saber gerir a barragem, ou “não tem vontade de explorar o espaço.

Uma situação que se arrasta para algum tempo e onde tudo continua na mesma.

Ou seja: 

Se a barragem é uma “exclusividade dos pescadores” ou se é “um todo” e a conclusão nas palavras de quem sabe o que se deve e pode fazer na barragem é que: 

Esta questão  arrasta-se  vai para anos para tudo continuar na mesma.

Sónia  Sanfona  sugeriu ao executivo algumas soluções válidas para criar as condições para o desenvolvimento e crescimento do espaço de lazer:

 Promover   debates  públicos para se tirar conclusões;

Ouvir os pescadores;

Que futuro para a Barragem?

Resta saber se continua a “não haver vontade  ou se o executivo comunista não tem “grande capacidade” para resolver os problemas que continuam a existir  quando todos sabemos e, vemos, que a Barragem dos Patudos continua a ser um espaço mal explorado, mal entregue e às vezes até mal cuidado.

Noticia relacionada

SÓNIA SANFONA PUXOU PELA “CARTOLA JURÍDICA” E QUESTIONOU O PRESIDENTE DA CÂMARA




Mas o autarca respondeu de uma forma um tanto ou quanto “astuta” e acabou por não acrescentar  nada.

O que a vereadora queria saber estava bem “escarrapachado” no papel da polémica.

Sónia Sanfona (foto)  vereadora do PS queria  saber se era acusada ou cúmplice na colocação de autocolantes nos contentores de lixo (PRESIDENTE DA CÂMARA APRESENTA QUEIXA NA GNR CONTRA DESCONHECIDOS)


E…levantou a voz para dizer ao presidente que se fosse preciso até o levava a Tribunal (Reunião da Câmara Municipal de Alpiarça de 19-11-2018)


Segundo a mesma o presidente deu a entender, no comunicado que lançou, que a responsabilidade de tal afixação ou  “dizeres” era da responsabilidade da oposição.

E é na palavra  "OPOSIÇÃO" que está o cerne da questão.

Para o presidente “oposição” é os que estão no “contra” ou os que não “gostam de Alpiarça”.

Mas  para os vereadores da oposição são  eles próprios porque são os únicos que representam a oposição.

Logo possivelmente os autores da colagem.

Mas a conclusão a que se chegou no debate é que não é este o entendimento do autor do comunicado, nem  o que consta no  comunicado,  porque a palavra “Oposição” dá pano para mangas e às vezes até é um pouco “manhosa”.

O autor do comunicado (Mário Pereira)  deixou bem claro que neste caso a "oposição" (Sónia Sanfona e António Moreira) estão fora da "linha de fogo" ou seja: não é nada com eles mas sim com os "outros".

Noticias relacionadas:

PRESIDENTE DA CÂMARA APRESENTA QUEIXA NA GNR CONTRA DESCONHECIDOS

OPINIÃO: QUEM DISSE QUE OS CONTENTORES DO LIXO NÃO SÃO DESINFECTADOS?

Reunião da Câmara Municipal de Alpiarça de 19-11-2018


Reunião da Câmara Municipal de Alpiarça de 19-11-2018

ARTIGO DE OPINIÃO: Jardim Municipal

Por:
Rodolfo Colhe

Jardim Municipal

Sou e serei sempre a favor que se faça obra, só nunca deixarei de avaliar a opção política pois é para isso que elegemos governantes e autarcas, para que estes tomem as decisões políticas.

Em Alpiarça há uma grande dificuldade em tomar esse tipo de decisões, avalia-se em primeiro lugar a reação da maioria da população e em segundo lugar avalia-se a reação da maioria da população novamente, ficando por avaliar tudo o resto, desde a futura gestão, utilidade, grau de urgência da obra, etc…

Quando as críticas às obras no Jardim Municipal eram enormes e toda a gente tinha uma história para contar naquele espaço degradado e sem condições, eu fui favorável à sua realização tendo claro questionado as opções políticas nomeadamente a não inclusão de um mini polidesportivo, a falta de vegetação, deixando-me a falta de delimitação do espaço algumas dúvidas já para não falar de pormenores e mais pormenores. A obra foi feita, o espaço está mais bonito do que anteriormente, mas como não podia deixar de ser tendo em conta que com este executivo camarário há sempre um mas, os problemas não param. Começou com o erro infantil da falta de condições do parque infantil, era óbvio que para além de todos os outros aspetos o parque teria de ter uma barreira física para o lago tendo este água ou não, as casas de banho fechadas e mais uns quantos pequenos problemas. 

Mas há novamente um mas, os problemas não se ficam por aqui. Segundo o jornal Alpiarcense, a CMA vai pedir a rescisão do contrato com o El Galego para a exploração Bar/ Esplanada do Jardim Municipal. É incrível como passados vários meses aquele espaço continua por ocupar e veremos se será ocupado e por quanto tempo, pois tenho as minhas dúvidas quanto há viabilidade de um negócio rentável naquele espaço, mas espero estar enganado. Dificilmente alguém quererá entrar neste período do ano mas veremos como o executivo vai resolver este problema ou se o vai resolver. É também conveniente que se dinamize o espaço principalmente no período que antecede o verão e através disso atrair pessoas para o espaço a fim de o tornar comercialmente apetecível para quem queira ocupar o Bar/ Esplanada.

Não é ou não devia ser hipótese Alpiarça ficar com mais um “elefante branco” a juntar ao outro que está nos Paços do Concelho. Sejamos concretos, o dinheiro dos contribuintes não é para brincar.