terça-feira, 24 de abril de 2018

25º ANIVERSÁRIO DO CORO DE ALPIARÇA




O Coro Polifónico de Alpiarça, da SFA 1º de Dezembro, comemora os seus 25 anos de atividade com a realização de um Concerto no dia 29 de abril, pelas 16 horas, no Pólo Enoturístico da Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça. Neste espetáculo comemorativo, ao coro anfitrião juntam-se o Orfeão do Paraíso Social, de Aguada de Baixo, e o Orfeão Vox Caeli, de Cantanhede.

Com o objetivo de criar o gosto pela música, fomentar a amizade e reforçar a atividade cultural no concelho, o Coro Polifónico de Alpiarça – SFA constitui-se no dia 21 de abril de 1993, então com a designação de “Orfeão da SFA 1º de Dezembro”.

Dirigido, atualmente, pelo maestro Miguel Galhofo e com mais de três dezenas de coralistas de diversos escalões etários e profissões, o coro alpiarcense dedica-se a todo o género de música coral polifónica. Realiza, anualmente, dois concertos fixos no concelho, o de Natal e o de aniversário e participa, regularmente, nas atividades realizadas pela autarquia local. Para além da participação em concertos por todo o país, em 2003 atuou na cidade espanhola de Valladolid, integrou o CD “Os melhores Coros do Ribatejo” e realizou concertos em França (2010), em Sèvres-Anxaumont e Montierneuf - Poitiers, e em Grigñon / Espanha (2017).

Em 2005, 2013 e 2014, o Coro Polifónico de Alpiarça organizou o I, II e III  Encontro Internacional de Coros de Alpiarça, com a participação, respetivamente,  do coro francês “La Grand Goule”, de Sèvres, Coral Polifónica de Piloño, de Vila de Cruces (Espanha) e Coral de Santiago Apóstol de Casarrubuelos (Espanha).

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Festival Internacional de Folclore, Culturas e Artes




O Festival Internacional de Folclore, Culturas e Artes (FIFCA) está de volta a Alpiarça. As comitivas da Bulgária e Roménia iniciaram hoje, dia 23 de abril, a sua digressão pelo concelho, atuando nas instituições ARPICA e Fundação José Relvas.
«De Mário Pereira»

domingo, 22 de abril de 2018

ARTIGO DE OPINIÃO: Consensos

Por:
RODOLFO COLHE
Presidente da Juventude Socialista
de
Alpiarça



O mundo da política nacional é bastante volátil nos tempos que correm, uma mudança de dirigentes pode significar uma mudança significativa da abordagem em relação a muitos temas e principalmente na convivência democrática com os outros partidos.

Para alguém que é puramente do Partido Socialista e de esquerda e que claramente não acredita num Bloco Central, nem acredita que algum partido o queira na verdade. Fiquei muito feliz e saúdo o acordo feito entre PS e PSD, os dois partidos mais votados em Portugal e os dois que à partida têm condições para tomar iniciativa de formar governo. Este acordo não é de governo nem de futuro governo muito menos é um colocar de parte das outras forças, é sim o assumir que há muitíssimos pontos que devem ser discutidos em conjunto por diversas razões, nomeadamente, porque dizem e muito respeito às Câmaras Municipais onde mais uma vez PS e PSD são os dois partidos com maior representação. Muitas áreas do nosso país devem ser debatidas em conjunto cabendo sempre a quem está no poder tomar a dianteira das negociações e depois à execução daquilo que é acordado. Pessoalmente, parece-me que a discussão de áreas de base como a saúde e a educação devem reunir alguns consensos ao nível das obras a executar, dos conteúdos programáticos e do pessoal têm sempre de ter essas tais premissas em comum que sirvam depois de base ao governo que estiver em funções. É impensável que a preparação do próximo programa de fundos comunitários não seja discutido em conjunto apesar de quem está no poder ter de assumir sempre dianteira e terá sempre a palavra final.

Algum partido político português duvida que é necessária uma intervenção forte sobre a nossa ferrovia? Certamente que não, mas, no entanto o grau de relevância do problema e a forma de resolução do mesmo seria diferente de partido para partido, daí ser de todo importante que determinados assuntos sejam tratados em conjunto.
Muitas vezes o populismo e caça ao voto (que afeta todos os partidos) não permitem que este tipo de discussões seja tida, basta ver a posição que muitos líderes de opinião e até do recém-candidato à presidência do PSD têm sobre este tema. Eu não sou de todo um entendido, mas é óbvio que o paradigma político a nível mundial já mudou há bastante tempo apesar de em Portugal se achar que as coisas se devem manter como sempre foram, e aí devemos dar créditos a liderança de António Costa, pois conseguiu fazer pontes com a esquerda e agora pontes com direita.

Vendo este desenrolar de acontecimentos no panorama nacional fico com a ideia de que a nível local são os dirigentes, subentenda-se de todos os partidos, os principais responsáveis pelas dificuldades de entendimento na construção de projetos de futuro nos seus concelhos. Afinal que sentido faria uma aposta deliberada numa determinada área para depois após uma mudança na cor política essa aposta ser classificada como menos importante, ou mesmo ser colocada na gaveta? Não seria interessante existir em Alpiarça esse tipo de consensos? Esse tipo de programa a longo prazo? Existirá um dia da parte de todos os dirigentes abertura para que isso seja feito? Não sou bom em futurologia, mas vou confiar desconfiando que possa vir a acontecer.

Umas palavras para o PS e para 45º aniversário de luta por Portugal e pelos Portugueses. É um orgulho pertencer a um partido que se pode orgulhar do seu passado, do seu presente e que constrói um futuro. Nem tudo foi bem feito ao longo destes anos, mas tudo foi feito para o bem de Portugal. 

Encontro Nacional de Vespas



No 10° Encontro Nacional de Vespas de Alpiarça, organizado pela VespÁguias (secção vespista do CD "Os Águias"), uma vez mais com uma grande participação de grupos vindos de diversos pontos do País, animando o nosso concelho. 
Parabéns a todos pela organização.
Parabéns também à Susana e ao Valter, os grandes vencedores do Concurso de Elegância.
«De Mário Pereira»

sábado, 21 de abril de 2018

"Forte de Peniche -- memória, resistência e luta"



E porque estamos em Abril, mês da Liberdade, a apresentação em Alpiarça do livro "Forte de Peniche -- memória, resistência e luta", numa edição da União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP), com a participação de Manuela Bernardino e Álvaro Pato, hoje à tarde na Biblioteca Municipal.
«De Mário Pereira»

terça-feira, 17 de abril de 2018

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios – 18 de Abril de 2018


Realiza-se no próximo dia 18 de Abril o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, instituído pelo ICOMOS Internacional (Conselho Internacional de Monumentos e Sítios).
O tema do ano de 2018 é: Património Cultural: de geração em geração.
O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, foi instituído em 1982 pelo ICOMOS e aprovado pela UNESCO no ano seguinte.
A temática deste ano tem como finalidade impulsionar o diálogo intergeracional enquanto ferramenta de conhecimento, de desenvolvimento e de diversidade. Salvaguardar a herança cultural é reforçar laços identitários, fomentar o diálogo entre a tradição e o progresso, assumir os valores da memória como alavancas de futuro, estimular a transferência intergeracional de conhecimentos e reforçar a partilha de informação, sensibilizando os mais novos, aprendendo com os mais velhos, impulsionando a comunicação entre gerações, para conhecer mais, preservar melhor e cimentar a importância da cultura e do património enquanto elementos aglutinadores das comunidades.
O Dia Internacional de Monumentos e Sítios, 18 de Abril, será comemorado pela Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça/Câmara Municipal de Alpiarça com o seguinte programa:

Data: 18 de Abril
Ao longo do dia - Visitas Gratuitas à Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça.
10h30
De Geração em Geração
Histórias em volta da Casa dos Patudos contadas pelo Sr. Manuel Miguel e pelo Conservador Dr. Nuno Prates
Para crianças do pré-escolar da Fundação José Relvas

21 de Abril
16h30
Inauguração da Exposição de Pintura Pedaços do Nosso Olhar da autoria de Vitalina Castelo Branco e Graciete Oliveira.
Pólo Enoturístico da Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça.

21h00
Jantar temático na cozinha dos Patudos (Incrições Judite Gregório - 918602197)

quinta-feira, 12 de abril de 2018

DEZ MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SANTARÉM ENTRE OS 100 MAIS TRANSPARENTES DO PAÍS


Nenhum município do distrito de Santarém conseguiu chegar aos dez primeiros lugares do ranking da transparência municipal, que avalia a informação de interesse público disponibilizada pelos 308 municípios do país.
Salvaterra de Magos, em 18.º, é o município do distrito melhor classificado no índice da transparência municipal, tendo subido 53 lugares em relação ao ano passado. Os concelhos do distrito mais transparentes são a Golegã (22.º), Cartaxo (33.º), Torres Novas 36.º) e Entroncamento (50.º). Alpiarça (65.º), Azambuja (78.º), Constância (83.º), Santarém (87.º) e Abrantes (93.º) são os restantes municípios do distrito classificados entre os primeiros 100 da lista que avalia dezenas de indicadores em sete áreas sobre as quais os municípios são obrigados a prestar informação de interesse público.
Constância subiu 33 lugares nesta lista, sendo o que melhorou mais neste índice da transparência municipal, seguido do Entroncamento que conquistou 25 lugares e está agora em 50.º lugar nacional. Alpiarça trepou 11 lugares, sendo o 65.º. Santarém somou 61,54 pontos no índice de transparência e sobe oito lugares, para a 87.ª posição no ranking nacional. E dos restantes concelhos do distrito só mais 
Torres Novas melhorou, com a subida de um lugar no índice da transparência municipal.
O Índice de Transparência Municipal foi elaborado pela Transparência e Integridade, em colaboração com a a Unidade de Investigação em Governança, Competitividade e Políticas Públicas da Universidade de Aveiro, que colaborou no processo de recolha e validação de dados. Trata-se de uma avaliação anual da informação de interesse público disponibilizada pelos 308 municípios portugueses nos seus websites oficiais, em sete áreas distintas:
A – Informação sobre a organização, composição social e funcionamento do Município (18 indicadores);
B – Planos e Relatórios (13 indicadores);
C – Impostos, Taxas, Tarifas, Preços e Regulamentos (5 Indicadores);
D – Relação com a sociedade (8 indicadores);
E – Transparência na Contratação Pública (10 Indicadores);
F – Transparência Económico Financeira (12 indicadores);
G – Transparência na área do urbanismo (10 indicadores).
«Fonte:http://www.oribatejo.pt/2018/04/12/78592/»

FESTIVAL DO MELÃO - 20 A 22 DE JULHO DE 2018


 ABERTAS INSCRIÇÕES

quarta-feira, 11 de abril de 2018

" Sexo, álcool e drogas: vamos ter aquela conversa"





O Auditório Mário Feliciano da Biblioteca Municipal de Alpiarça encheu durante a manhã de hoje para uma interessante sessão/conferência para os alunos do ensino secundário do Agrupamento de Escolas de José Relvas sobre o tema " Sexo, álcool e drogas: vamos ter aquela conversa", organizada pelos alunos e professores do curso profissional de Técnico de Acção de Saúde.
«De Mário Pereira»

segunda-feira, 9 de abril de 2018

MÁRIO PEREIRA ESTÁ MUITO MAL NESTE FILME E SE JULGA QUE O PCP É “DONO DISTO TUDO” ESTÁ MUITO ENGANADO

Opinião de V. Vidigal


Pintar publicidade política numa parede de um EDIFÍCIO MUNICIPAL municipal é inadmissível.

Pior ainda, quando:

Com conhecimento e autorização de quem deve proteger o mesmo e impedir a publicidade, neste caso, a Câmara Municipal de Alpiarça, porque autorizou que no muro que faz parte da Praça do Município em Alpiarça fosse pintado  palavras alusivas ao marxismo-leninismo.

Julgo que a minha terra ainda não está a “saque” nem é propriedade do Partido Comunista Português mesmo que deste saíssem os actuais eleitos.

Mário Pereira está muito mal neste filme e se julga que o PCP é “dono disto tudo” está muito enganado.

Ou então  pensa que ainda estamos no tempo do "PREC" em que "valia tudo".

Gostaria o presidente da Câmara que lhe pintassem a porta da sua residência com uma frase tipo?

“AQUI MORA O DONO DE ALPIARÇA”

Claro que não gostaria porque a casa é sua e o edifício da Câmara é de todos nós.

Na qualidade de alpiarcense fico triste e sinto-me revoltado de ver no muro da Câmara da minha terra textos puramente políticos.

Que o façam nas paredes da Rua Silvestre Bernardo Lima.

Para quem não sabe ou ainda não viu esta “pouca vergonha” o autor é, nem mais nem menos do que a “Juventude Comunista”.

ARTIGO DE OPINIÃO: Não deixar apagar a história

Por:
Rodolfo Colhe
Presidente da Juventude Socialista de
Alpiarça

Não deixar apagar a história

Na passada segunda-feira assisti com muito gosto à entrega das medalhas do Município, no auditório da Casa Museu dos Patudos, um momento solene marcado por um infeliz incidente de saúde com uma pessoa que assistia à cerimónia e desde já, aproveito para desejar uma boa recuperação.
Não tenho por hábito tecer grandes considerações sobre as medalhas, uma vez que mais ou menos todas são meritórias. Embora eu ache que em certos momentos se banaliza um pouco o acto, entregando medalhas por méritos menores, retirando desta forma um pouco de mérito aos méritos maiores. Admito que possa ser uma interpretação muito própria e que possivelmente caso fizesse parte do executivo camarário iria provavelmente agir da mesma forma. É bonito ver a felicidade e o orgulho das pessoas ao serem homenageadas pela sua terra e pelo seu trabalho nela desenvolvida. Não posso deixar de realçar a homenagem aos presidentes dos diferentes órgãos autárquicos, que melhor ou pior (e isso depende da avaliação de cada um) dedicaram anos da sua vida a servir Alpiarça. Algumas caras são ainda hoje vistas com regularidade na vida pública do nosso concelho, outras nem por isso e foi nessas outras que residiram mais tempo os olhos do público. Não querendo estar a personalizar em demasia há uma presença que não posso deixar de salientar, a Dr.ª Vanda Nunes, é sabido, penso eu, que tenho por ela amizade e consideração e não me custa admitir que por vezes me aconselho com ela na minha vida política. E aproveito para abordar outra temática na política de Alpiarça onde há muito para dizer e fazer, a igualdade de género. Salvo erro, apenas tivemos quatro mulheres na frente dos destinos dos órgãos autárquicos, uma na Câmara Municipal, uma na Assembleia Municipal e duas na Presidência da Junta de Freguesia. Em relação às Presidentes de Junta nunca acompanhei muito pessoalmente as suas carreiras nem as conheço bem pessoalmente, no entanto tenho de admitir que as duas realizaram e realizam os seus mandatos de forma prática e descomplicada. Quanto à Dr.ª. Vanda Nunes mais não há a dizer, a não ser que deixou saudades, mas também não posso deixar de realçar a Eng.ª. Vera Noronha, uma das pessoas mais frontais que conheci, mas também uma pessoa extremamente amiga do seu amigo. Algumas situações de todo desnecessárias se passaram à volta desta bela homenagem, por desconhecimento parcial da situação não vou comentar, mas espero vir a conhecer verdadeiramente o caso e poderei, aí sim, opinar sobre ele, pois algo de muito grave esteve perto de acontecer.
O momento da entrega das medalhas deve na minha óptica ser 70% emocional e 30% político (não podemos ser ingénuos ao ponto de achar que se perde uma oportunidade de fazer política em público), e não mais do que isso pois tanto os homenageados e famílias como os cidadãos que se deslocaram para apreciar o momento não procuram política, mas sim bons sentimentos. Em sentido contrário ao que me parece correcto, o Presidente da Câmara Municipal de Alpiarça foi pouco feliz na sua intervenção, tendo passado mais tempo a criticar a transferência de competências do que a demonstrar o valor de Alpiarça. O Professor Mário Pereira, mais uma vez, demonstrou ser um presidente de uma linha muito dura com alguma aversão à mudança, mas pensando bem na equipa que escolheu, talvez os seus receios tenham fundamentos. Mais importante que tudo, PARABÉNS ALPIARÇA.


sexta-feira, 6 de abril de 2018

Despacho do Presidente da Câmara Municipal de Alpiarça


MUNICIPIO DE ALPIARÇA

Despacho do Presidente da Câmara Municipal de Alpiarça


LUTO MUNICIPAL PELO FALECIMENTO DE DOMINIQUE ADENOT

É com grande pesar e consternação que tomamos conhecimento do falecimento do Presidente da Mairie de Champigny-Sur-Marne, Dominique Adenot, que desempenhou este cargo entre o ano de 2004 e Março de 2018.
Alpiarça tem uma Geminação com Champigny-Sur-Marne iniciada em 2006 e, desde então, foram vários os encontros entre os dois concelhos, com trocas de experiências culturais e presenças de delegações oficiais em ambas as localidades.
Nos encontros com Dominique Adenot, ficaram bem patentes os laços de amizade que se criaram, bem visíveis pela forma com que as nossas delegações foram recebidas em Champigny.
Em sua memória, e também pelo seu reconhecido empenho na luta pela liberdade e democracia em França, bem como pela amizade entre os dois Municípios, declaro dois dias de luto municipal, a começar hoje, dia 6 de Abril, devendo durante esse período ser colocada a meia-haste a bandeira municipal.
À sua esposa e restante família, bem como a toda a comunidade de Champigny-sur-Marne as nossas condolências.
Dê-se conhecimento na próxima reunião ordinária da Câmara Municipal.
Alpiarça, 5 de Abril de 2018
0 Presidente da Câmara Municipal de Alpiarça
Mário Fernando Atracado Pereira

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Inauguração do novo Jardim Municipal no dia do 104°aniversário da elevação de Alpiarça a concelho




 





2 de Abril de 2018

Inauguração do novo Jardim Municipal no dia do 104°aniversário da elevação de Alpiarça a concelho.

Aberta à fruição colectiva a primeira operação de ampliação e remodelação do Jardim Municipal de Alpiarça no âmbito do Plano de Acção para a Regeneração Urbana -- PARU.

A obra está concluída e será totalmente paga pelo Município sem recorrer a qualquer financiamento bancário, ou seja, sem qualquer sobrecarga para as novas gerações de alpiarcenses.

A segunda operação de regeneração urbana do PARU de Alpiarça é a Requalificação do Mercado Municipal, e está em fase de concurso, para arrancar nos próximos meses.

Obrigado a todos pela participação na festa popular.
«De: Mário Pereira»

quarta-feira, 4 de abril de 2018

TODOS OS UTENTES DO CENTRO DE SAÚDE DE ALPIARÇA TÊM MÉDICO DE FAMÍLIA



Está confirmado. Todos os utentes do centro de saúde de Alpiarça têm médico de família, desde que foi criada a Unidade de Saúde Familiar no passado mês de Dezembro.
Hoje o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Dr Fernando Araújo, visitou a USF de Alpiarça e descerrou a placa da inauguração oficial, com a presença de autarcas, de utentes, dos profissionais de saúde (médicos, enfermeiras e administrativos), do Presidente da ARSLVT, da Directora do ACES Lezíria e do Presidente do Hospital de Santarém. 
A USF de Alpiarça recebeu também uma nova viatura para a prestação de cuidados de proximidade, ao domicílio, tendo sido ainda apresentada a Unidade Móvel de Radio-rastreio da Tuberculose que servirá toda a região da Lezíria do Tejo.
«De: Mário Pereira»

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Águas do Ribatejo quer impedir a entrada de privados e duplicar capital social



Proposta será submetida às câmaras e assembleias municipais para aprovação dos novos estatutos

A Assembleia Geral da Águas do Ribatejo EM, SA aprovou por unanimidade a proposta de metodologia para alteração dos estatutos e duplicação do capital social para mais de 13,7 milhões de euros mantendo as percentagens de participação de cada município.
Na reunião realizada no dia 28 de março, na sede da AR, os sete municípios aprovaram também o relatório de gestão e contas de 2017 cujo exercício terminou com um resultado líquido de 2.166.172 euros depois do pagamento dos impostos.
Os sete presidentes de câmara definiram os passos a dar no processo de alteração dos estatutos e aumento de capital. As propostas serão remetidas aos executivos que as submetem à apreciação das assembleias municipais.
Após a apreciação nas sete assembleias, a proposta final baixa à Assembleia Geral da AR para aprovação dos novos estatutos.
“Este é o momento de garantirmos que a Águas do Ribatejo será uma empresa de capitais exclusivos dos municípios reforçando um modelo de gestão adequado para um serviço público imprescindível para as 150 mil pessoas que vivem nos sete concelhos”, explica o Presidente da Assembleia Geral da AR, Pedro Ribeiro, que representa o Município de Almeirim.
Pedro Ribeiro defende a alteração dos estatutos desde a sua entrada nos órgãos sociais da AR por entender que a entrada de privados iria alterar o modelo de gestão, com um reforço da vertente empresarial, com prejuízos para os munícipes.
A assembleia geral fixou também que será necessária uma maioria de três quartos dos votos para alterar os estatutos ou dissolver a sociedade.
Os sete acionistas acordaram ainda que a duração do mandato dos órgãos sociais da AR será de quatro anos. Todos os representantes exercem funções sem remuneração ou qualquer senha de presença como acontece desde a entrada em funcionamento da empresa. 
Francisco Oliveira, presidente do conselho de administração, em representação do concelho de Coruche, congratula-se com os consensos obtidos na assembleia e realça os bons indicadores evidenciados no relatório de gestão e contas.
“Apresentamos um resultado muito interessante com um aumento de 6,4% no volume de negócios e de 36% no resultado líquido com 2,1 ME, ou seja, mais 574.000 euros em relação a 2016. Estes resultados são excelentes num ano em que fizemos investimentos significativos e em que mantivemos um tarifário socialmente justo”, adianta o presidente da AR.
No quadro da operacionalidade, Francisco Oliveira destaca a redução das perdas de água reais para 28% e a manutenção dos indicadores de qualidade no abastecimento de água e no tratamento de águas residuais muito perto dos 100%.
“Estes indicadores resultam da qualidade do trabalho dos nossos colaboradores e dos parceiros que diariamente trabalham connosco para garantir serviços de qualidade”, reforça o Presidente da AR.
A AR tem vindo a reforçar a proximidade promovendo ações junto dos clientes e utilizadores e disponibilizando novas ferramentas nas unidades de atendimento e no balcão digital que facilitam os contactos com a empresa e melhoram a celeridade nas respostas.
Todas as reclamações tiveram resposta dentro do prazo legal e num prazo médio de 12 dias.
A maioria das observações dos clientes e munícipes versa a repavimentação de pavimentos após as intervenções, obras que pela sua natureza sofrem constrangimentos devido a fatores como o estado do tempo ou o período de consolidação dos materiais e a afetação das equipas externas por parte dos prestadores de serviços.
No plano dos investimentos, estão concretizados 120 Milhões de Euros desde 2009 e estão em curso obras de valor superior a 20 Milhões de euros nos vários concelhos.
O Presidente da AR destaca o elevado esforço exigido à empresa na empreitada da ETAR e emissário de Samora Correia onde a AR vai investir 3,8 ME de capitais próprios dado que apenas foi garantido um financiamento de 850.000 euros.
A Assembleia Geral manifestou preocupação com o estado de seca extrema vivido recentemente e com a probabilidade de existirem constrangimentos no abastecimento de água durante um Verão que se prevê muito quente e seco. Os presidentes deram luz verde ao reforço das campanhas de sensibilização nas escolas, instituições e na comunicação social para o uso eficiente da água e para o combate ao desperdício.

ARTIGO DE OPINIÃO: Mau já é favor

Por:
Rodolfo Colhe
Presidente da Juventude Socialista
de
Alpiarça



Mau já é favor

Há temáticas que muitas vezes não queremos comentar ou não devemos, ou porque a situação nos é sensível ou porque simplesmente nos faltam dados para abordar o tema, sendo que entre as duas situações tenho mais receio de abordar as segundas porque notícias falsas e exageradas é o que não falta. Em mais um caso que assola a vida dos alpiarcenses verifica-se esta situação de falta de confirmação apesar de muitas informações apontarem nesse sentido. A verdade é que se a Caixa Geral de Depósitos fechar o seu balcão em Alpiarça, eu começo a ficar realmente assustado com o nosso futuro, e não entrando na frase feita de “vamos passar a ser uma freguesia de Almeirim” (até porque não acredito que possa um dia acontecer), mas sinto-me forçado a deixar de dar seja o que for como certo no nosso concelho. Não vou falar novamente de tudo o que fechou e que vai fechar nos próximos tempos, mas que atingimos o total desgoverno e que a apatia política atingiu o limite atingiu, e atingiu de tal forma que apenas as “desgraças” são do domínio geral ficando quase toda a informação da atividade da CMA (reuniões incluídas) longe do conhecimento dos eleitores. Basicamente a informação está disponível, mas não chega às pessoas. Nunca gostei nem gosto de política feita de forma menos elegante, mas a verdade é que estes 7 meses não estão a ser nem melhores nem iguais aos 8 anos anteriores, estão a ser ainda piores, criou-se uma conjetura que permitiu que ganhassem e estão a conseguir governar com aparente naturalidade. Não quero crer que seja necessário “armar a barraca”, mas certamente dentro dos caminhos democráticos e dos princípios de uma sociedade que se quer moderna alguma coisa deve ser feita para corrigir o que está mal, e que se consiga mudar a forma de agir dos principais intervenientes porque já basta de ver Alpiarça afundar-se. Ninguém pode assobiar para o lado, nem o poder, nem a oposição, nem as “juventudes”, nem os eleitores, ninguém mesmo. É tempo de começar a fazer alguma coisa que possa verdadeiramente mudar o estado a que isto chegou, sem demagogias mas muita ideologia, seja ela partidária ou não, até porque não precisamos de mais direita ou de mais esquerda, precisamos de pessoas com os princípios da direita e pessoas com os princípios da esquerda, precisamos que as pessoas se importem e que olhem para o lado e percebam o quanto as coisas estão mal. Não possuo, infelizmente, uma resposta concreta, mas aviso desde já que não proponho nenhum tipo de iniciativa que envolva mais violência seja ela física e verbal como tem vindo a ser hábito. Chega também da verborreia digital e do destilar de ódio. Muita gente escolheu Alpiarça para viver como eu, fazendo várias horas e utilizando diversos meios de transporte para chegar a casa. Muitos nasceram e viveram em Alpiarça desde tempos em que nem os meus pais eram pensados quanto mais eu. Poucos escolherão por pura opção Alpiarça como o seu local de eleição para viver se não acontecer nenhuma mudança drástica.
 Que as pessoas acreditem em Alpiarça.

quarta-feira, 28 de março de 2018

QUE TAL UM JANTAR NA CAPELA DO ANTIGO CEMITÉRIO MUNICIPAL À LUZ DE VELAS?

Artigo de Opinião de: V. Vidigal




Pessoa amiga fez-me chegar cópia de um “panfleto” publicitário dando  a conhecer que no próximo dia 21 de Abril  “Há Noite no Museu” com “Jantar Temático e Visita Nocturna” na Casa Museu dos Patudos.

Um jantar limitado apenas a 40 pessoas mas cujo preço não está publicitado.

Quando li o dito lembrei-me logo daquele jantar, à luz de velas, tipo farra, levado recentemente a efeito no Panteão Nacional mas que  não incomodou quem por ali está sepultado.

Não vai haver “farra”, julgo, na Casa Museu dos Patudos mas vai haver um jantar temático seguido depois de uma visita nocturna pelo espaço que foi doado a Alpiarça pelo benemérito José Relvas que, quando fez a doação estava longe  da sua casa um dia  servir para jantares noturnos ou à luz de velas e ainda por cima reservado apenas a algumas dezenas de convidados pagantes.





Sou um cidadão alpiarcense que gosto imenso do pouco património que a minha terra tem mas fico triste quando sei que vão fazer eventos nocturnos numa casa que foi de quem me merece o maior respeito.

Qualquer dia vou organizar  um jantar nocturno na Capela do antigo Cemitério Municipal seguido de uma visita nocturna  dos convivas ao actual Cemitério a exemplo do que foi feito no Panteão Nacional.

Há coisas ou eventos levados a efeito com os quais não estou de acordo.

Este é um deles.

Como cidadão alpiarcense que sou, tenho direito à minha opinião, daqui reprovar esta iniciativa.

Espero que a camarada Sónia Sanfona e António Moreira não participe nesta trapalhada nocturna.

TT: TROFÉU YAMAHA PROSSEGUE EM ALPIARÇA


A vila ribatejana de Alpiarça vai receber pelo segundo ano consecutivo uma etapa do mais antigo troféu de todo-o-terreno realizado em Portugal.

Depois do arranque em Pegões, onde estiveram mais de duas centenas de participantes distribuídos por 19 classes, a 15ª edição do Troféu Yamaha prossegue já no próximo sábado, altura em que é aguardada uma caravana de pilotos bastante heterogénea destacando-se a grande participação das camadas mais jovens e a crescente presença das senhoras em competição.

Para a segunda jornada deste troféu organizado pela Yamaha Motor Portugal, foram introduzidas algumas novidades, particularmente ao nível de melhoramentos da pista no sentido de aperfeiçoar o traçado, que permitem melhorar cada vez mais as condições para todos os participantes.

Para os responsáveis da Yamaha as expectativas são elevadas e o objectivo é manter o nível de competição alcançado na prova de Pegões: “Com uma primeira prova em que tivemos um recorde de inscrições, mesmo com condições climatéricas pouco favoráveis, as nossas expectativas para a segunda prova são bastante elevadas. A Yamaha está muito contente por ver esta família a crescer de forma tão saudável”, destacou Luís Figueiredo Marketing Manager da Yamaha Portugal.

De referir que as verificações técnicas e documentais têm início marcado para as 8h. Já as sessões de treinos iniciam-se pelas 9h30 e a primeira de oito corridas arranca às 14h do próximo sábado.
« https://www.motosport.com.pt»

terça-feira, 27 de março de 2018

O “RECADO” DE JOÃO BRITO, EX-DEPUTADO DOS PSD NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE ALPIARÇA

De: João Brito


“Espero que a partir de hoje o PSD volte a ser novamente pertença de Sociais-democratas, composto por gente que não se envergonha de vestir a nossa camisola. E que a partir de agora o PSD em eleições autárquicas não se faça representar por movimentos independentes que SÓ SE INTERESSAM QUE O PARTIDO LHES PAGUE COM O DINHEIRO DE TODOS NÓS AS SUAS VAIDADES PESSOAIS. E tudo isto com o aval de alguns presidentes de comissões politicas distritais. Obrigado Dr. RUI RIO por nos oferecer esta lindíssima VITÓRIA. Como nesta campanha estarei sempre na linha da frente junto dos meus verdadeiros companheiros defendendo a SOCIAL DEMOCRACIA ...”

segunda-feira, 26 de março de 2018

Reunião da Comissão Intermunicipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios



Reunião da Comissão Intermunicipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (CIMDFCI) de Alpiarça, Almeirim e Chamusca, realizada nos paços do concelho da Chamusca, com a discussão e aprovação das alterações ao Plano Intermunicipal.
«De: M.P.»

ARTIGO DE OPINIÃO: Comemorar para não esquecer

Por:
Rodolfo Colhe
Presidente da Juventude Socialista
de
Alpiarça


Comemorar para não esquecer

A última semana foi rica em comemorações mundiais, Dia Mundial da Poesia, Dia Mundial da Agua, Dia Mundial da Floresta, Dia Nacional do Estudante e já se iniciaram as comemorações do Dia Mundial do Teatro, a comemorar no próximo dia 27 de março. Várias comemorações de características diferentes, que muito dizem a uns e pouco a outros, mas que tem todos a sua importância. No caso do Dia Mundial da Poesia serve para relembrar ao grande público que esta bela arte está viva. No caso do Dia Mundial do Teatro, uma arte que me parece ter neste momento e, ainda bem, uma enorme aceitação por parte do público ainda que principalmente nas grandes cidades serve particularmente para que as autarquias e demais entidades levem o teatro aos centros mais pequenos onde, infelizmente, a oferta é baixa em quantidade e pouco regular.
Mas se a arte tem uma enorme importância para a qualidade de vida e visão do mundo, a água e a floresta tem uma grande importância para a nossa sobrevivência. Centrando-me na água, este recurso que é o suporte de toda a vida, a sua comemoração é de todo importante, mas a sua gestão é de todo bem mais importante, gestão essa que deve ser feita por todos, mas como sempre os exemplos devem vir de cima. Se ao nível do governo a preocupação tem sido enorme tendo sido colocadas na rua campanhas de sensibilização para a poupança da água, da parte das autarquias no geral estando a de Alpiarça também incluída nesse lote, a preocupação não só não é grande como não são visíveis medidas que visem modificar os graves problemas de gestão de recursos hídricos que as autarquias têm. Se determinadas questões só poderiam ser solucionadas com medidas relativamente caras apesar de recuperáveis a médio-longo prazo, como seriam a colocação de torneiras de baixo consumo de água ou medidas similares, outras medidas partem em grande parte da vontade e consciência, como é o caso das regas. O caso específico das regas é de todo intolerável na minha óptica, com especial ênfase nos jardins a serem regados em dias de chuva e nas rotundas com água a correr para a via pública. Estes dois casos são gravosos de diferentes formas pois não só gasta água de forma estúpida como se está a danificar os jardins e possivelmente a criar problemas rodoviários e como é óbvio está-se a dar um mau exemplo. Como infelizmente em muitos casos isto não vai lá só com palavras, mas actos e denúncias por parte da população, mas também de multas e de ações do estado sobre as autarquias consideradas más gestoras da água. Em 2017 sentimos fortemente os efeitos da seca, mas se não fizermos nada para mudar essa seca será o estado de normalidade e a vida como a conhecemos pode ser significativamente alterada. 


domingo, 25 de março de 2018

Proposta do Partido Socialista de atribuição de medalhas de mérito


PROPOSTA
O poder Local Democrático representa, em Portugal, uma das mais importantes conquistas do 25 de Abril de 1974, tendo-se constituído como a pedra angular da consolidação democrática e do desenvolvimento do país. A confiança atribuída às populações para a escolha livre e democrática daqueles que assumirão o governo das suas comunidades representou, não só um avanço civilizacional, no que toca ao modelo e organização das sociedades, mas determinou desde logo que a governação de proximidade fosse assumida como aquela que melhor percebe os problemas e dificuldades das populações e que, portanto, está em melhores condições de os ultrapassar. Efectivamente, ao longo destes mais de quarenta anos, o Poder Local Democrático tem contribuído decisivamente para o desenvolvimento e modernização do país, dando coesão aos territórios, criando e modernizando infra-estruturas, e colmatando muitas das lacunas que o poder político mais centralizado e menos próximo revela. Também para Alpiarça, esta conquista representou um passo determinante na transformação e desenvolvimento do nosso território, merecendo justamente uma homenagem, que assinale a relevância de um poder local livre e democrático, em que o povo elege de entre os seus pares, aqueles e aquelas que assumirão a difícil mas honrosa missão de governar. Neste sentido, quem melhor do que os autarcas eleitos no nosso concelho, que assumiram essa missão, para corporizarem esta homenagem? Quem melhor do que aqueles e aquelas que se disponibilizaram para o sufrágio da sua população, apresentando-se corajosamente ao seu escrutínio e, tendo merecido a sua confiança, assumiram com dedicação e abnegação a sua tarefa, tantas vezes com sacrifício das suas vidas pessoais e profissionais, mas dando o seu melhor em prol de Alpiarça e dos alpiarcenses? É pois neles que propomos que seja feita esta homenagem.
Assim, propomos que seja atribuída a medalha de Honra do Concelho a todos os antigos Presidentes de Câmara, antigos Presidentes de Junta e antigos Presidentes de Assembleia Municipal, eleitos em Alpiarça (e neles homenageamos todos os autarcas eleitos) e que corporizam e representam o verdadeiro espírito do Poder Local Democrático, repositório da confiança dos alpiarcenses e motor do desenvolvimento da nossa comunidade.
Alpiarça, 22 de Março de 2018
Os Vereadores do Partido Socialista
Sónia Sanfona
António Moreira

sábado, 24 de março de 2018

Assembleia Geral Ordinária

Assembleia Geral Ordinária

Ao abrigo do artº29, ponto 2 do Regulamento Interno, convoco a Assembleia Geral Ordinária do Clube Desportivo “Os Águias” de Alpiarça, para reunir no Ginásio Auxiliar, pelas 20,30horas, do dia 30 de Março de 2018, com a seguinte ordem de trabalhos:
1- Apresentação, discussão e votação do Relatório e Contas da Direcção e parecer do Conselho Fiscal;
2- Outros assuntos de interesse para o Clube.
Se não houver a presença de metade dos associados na hora indicada, a Assembleia reunirá em 2ª convocatória (Artº31 dos Estatutos) uma hora mais tarde, com qualquer número de sócios e com a mesma ordem de trabalhos.
Alpiarça, 5 de Março de 2018
O Presidente da Mesa da Assembleia Geral

sexta-feira, 23 de março de 2018

COLOCAÇÃO DE FIBRA ÓPTICA EM TODO O CONCELHO DE ALPIARÇA





O concelho de Alpiarça é palc
o de trabalhos de instalação / expansão da rede de fibra óptica, realizados por empreitadas de responsabilidade das empresas de telecomunicações.
A colocação deste equipamento obriga à intervenção por parte destas empresas em alguns pontos da rede viária e de passeios, cujos pavimentos deverão ser obrigatoriamente repostos nas devidas condições, cabendo aos serviços municipais a supervisão e fiscalização dos trabalhos de reposição.
Na sequência destes trabalhos todo o concelho ficará brevemente coberto pelo acesso aos serviços disponibilizados pela existência desta importante infraestrutura de fibra óptica.
«CMA»