A BIBLIOTECA MUNICIPAL DE ALPIARÇA VAI FESTEJAR MAIS UM ANIVERSÁRIO

VISITE-A


sexta-feira, 16 de junho de 2017

A IMPORTÂNCIA DO SÍTIO ARQUEOLÓGICO ALTO DO CASTELO, ALPIARÇA


Por:
Arqueóloga Vanda Lagarto
Licenciada em Arqueologia e História pela Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa

Mestre em Património Público, Arte e Museologia pela Faculdade de Belas-Artes,
Universidade de Lisboa

Doutoranda em História na Universidade Autónoma de Lisboa



Pretendemos com este artigo alertar a comunidade que todas as intervencões que decorram num sítio classificado pela DGCP, mormente IGESPAR, como IPP (Imóvel de Interesse Público) deverá ter acompanhamento, nomeadamente de um arqueólogo devidamente autorizado pela tutela. Este local e respectivos dados inscritos no CNS 269, pertence a uma das estações arqueológicas mais importantes de Alpiarça, tendo sido feitas as últimas escavações nos anos 80, mas ainda oferecendo condições de estudo. Este sítio arqueológico situa-se à margem da planície de aluvião, sobre um terraço quaternário. Até há cerca de 35 anos os vales em torno deste sítio eram campos de arroz (Kalb & Höck, 1988). Os antigos afluentes do Tejo cortaram esses vales tornando o Alto do Castelo numa espécie de Península, cujo vale a Norte, o Paúl dos Patudos, é estreito e abrupto, enquanto o que o toca na sua vertente Sul, o vale da Atela, é mais largo e suave. O Alto do Castelo encontra-se a uma cota de cerca de 33m acima do nível do mar. Trata-se de um antigo oppidum caracterizado por uma muralha de terra batida que teria cerca de 20m de largura, 1150m de comprimento e dois fossos, e duas entradas viradas a Noroeste e a Sudoeste. Não há indícios de construções, pelo menos à superfície devido à instalação de vinha, que vai a 1,20m de profundidade e por isso mesmo danifica irreversivelmente a estratigrafia. Caracterizado por Philine Kalb e Martin Höck como tendo a sua origem numa fase inicial da presença Romana na zona (Kalb & Höck, 1988), se bem que considerado por outros investigadores como estando já activo no período do Bronze Final, ou seja, não se exclui a hipótese de haver ocupação continua do espaço desde o Calcolítico, se bem que ainda sem ser fortificado (Calado, 1994). Os cerca de 30 hectares de terreno, ocupados pela fortificação incluiriam as Necrópoles do Tanchoal e do Meijão (Corrêa, 1916, 1936; Marques, 1972; Marques & Andrade, 1974).
Hoje em dia, parte do Alto do Castelo pertence ao Município de Alpiarça, que ocupa o espaço com uma unidade de criação pecuária e por montado. A muralha exterior do oppidum fica junto de uma estrada de terra batida, que separa o Alto do Castelo de uma vinha. Os trabalhos arqueológicos são actualmente inexistentes na estação, tendo os últimos sido realizados por Philine Kalb e Martin Höck a partir de 1981 (Kalb & Höck, 1982; 1985).
Embora, sejam visíveis junto ao casal, através de vista área alguns indícios de ali terem existido outrora estruturas. As últimas escavações foram feitas entre 1981 e 1983 por Philine Kalb e Martin Höck que revelaram a importância do sítio, como sendo um local fortificado como existem poucos. Este tipo de locais fortificados designam-se por castrum, oppidum ou castellum sendo povoados fortificados em altura, com uma boa visibilidade sobre a paisagem adjacente, integrando redes de povoados interligadas entre si.
As datações do que existem são da necrópole ali ao lado, sendo que o Alto do Castelo terá uma ocupação pré-romana (Bronze Final com datas aproximadas de 1300 a 1700 a.C.). Este período de economia agro-pastoril em que dominam comunidades e núcleos dispersos e abertos, parece contrariar esta tendência, daí ser tão interessante. A escolha de um local alto, em que o topónimo (nome do sítio) indicia uma importância enorme face ao seu território. A cultura de Alpiarça está associada a esta ocupação, sendo que o espaço dos vivos convive de perto com o espaço dos mortos. A necrópole ali defronte convive com o espaço de ocupação.
Mais tarde este espaço é de novo referenciado como acampamento romano, em 138 a.C. com a campanha de Decimus Junius Brutus. Acerca deste acampamento também existem alguns dados, mas devido à implantação da vinha no local, não se pode fazer uma leitura mais apurada. Os arqueólogos têm procurado vestígios que conduzam à campanha do “Galaico”, sendo que a localização de Móron parece ainda muito vaga, tendo que se perceber que só existem dois sítios considerados possíveis de o serem, Alpiarça surge como um deles, mais propriamente o Alto do Castelo. No entanto, as recentes investigações e trabalhos realizados em Chões de Alpompé (Vale de Figueira) deram resultados coevos com a época Republicana, portanto podendo este local ser Móron. Alpiarça sendo um forte candidato, mas não tendo tido trabalhos desde os anos 80, não poderá provar que foi ali que Décimo Júnio Bruto ficou aquartelado.

 Por todas as razões apresentadas e atendendo que estamos a falar da cultura material pertencente às populações da Idade do Bronze; Idade do Ferro e Período Romano, não podemos deixar que este património seja destruído e que não haja qualquer registo para que se preserve na memória e de uma forma palpável para as gerações actuais bem como para as vindouras. A protecção do sítio tendo em conta a divulgação junto da sua comunidade poderá prevenir a destruição dos locais por quem se dedica ao detectorismo e poderá também ajudar a implementar uma nova abordagem destes espaços com vista à sua salvaguarda. O sítio Alto do Castelo, em Alpiarça deve ter acompanhamento arqueológico no que concerne a qualquer movimentação de terras, desmatação ou trabalhos agrícolas. Por esse motivo disponibilizamos no final desta comunicação, bibliografia para que entendam que a importância do local não pode ser de todo descurada.




Bibliografia consultada


 ALMAGRO-BASH, M., (1952) – “La invasión céltica. Los campos de urnas de España”, in MENÉNDEZ PIDAL, R. – Historia de España, tomo I, vol II (La Protohistoria), Madrid, pp. 221-222. ALMAGRO-GORBEA, M., (1986) – “Los Campos de Urnas de la Península Ibérica. Significado Cultural”, in JODÁ CERDÁ, F.; et alli – Historia de España, vol. I (Prehistoria), Madrid, pp. 381-404. ARRUDA, A. M. (1993) – “A ocupação da Idade do Ferro da Alcáçova de Santarém no contexto da expansão Fenícia para a fachada Atlântica Peninsular”, in Estudos Orientais, vol. IV (Os Fenícios no território Português), Lisboa, pp. 193-214. ARRUDA, A. M., (1994) – “O Oriente no Ocidente”, in MEDINA, João, (dir.) – História de Portugal dos tempos Pré-Históricos aos nossos dias, vol. II, Lisboa. ARRUDA, A. M., (2000) – Fenícios e o mundo Indígena no Centro e Sul de Portugal (Séculos VIII – VI a. C.), Tomo I e II, Dissertação de Doutoramento em Arqueologia apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa. ARRUDA, A. M., (2002) – “A Alcáçova de Santarém e os Fenícios no estuário do Tejo”, in De Scallabis a Santarém, Catálogo da exposição, Santarém, pp. 29-35. CALADO, M., (1993) – “O Bronze Final. A “cultura” de Alpiarça”, in MEDINA, João (dir) – História de Portugal dos tempos Pré-Históricos aos nossos dias, vol. I, Lisboa, pp. ??- ??. CARDOSO, J. L., (2002) – “”, in Pré-História de Portugal, Lisboa, pp. 351. CARREIRA, J. R., (1994) – “A Pré-História recente do Abrigo Grande das Bocas (Rio Maior)”, in Trabalhos de Arqueologia da EAM, Lisboa, pp. 47-144. CHALINE, J., (1972) – Quaternaire: L’Histoire Humaine dans son Environnement, Paris. CORRÊA, A. M., (1916) – “Sobre alguns objectos protoistóricos e Lusitano-Romanos, especialmente em Alpiarça e Silvã”, in O Archeologo Português, n.º 21, Lisboa, pp. 331-337. CORRÊA, A. M., (1924) – Os povos primitivos da Lusitânia, Porto. CORRÊA, A. M., (1928) – “A Lusitânia Pré-Romana”, in PERES, D. (dir.) – História de Portugal, vol. I, Barcelos, p. 128. CORRÊA, A. M., (1936) – ““Urnenfelder” de Alpiarça”, in Anuario de prehistoria Madrileña, Madrid, pp. 133-137. CUNHA-RIBEIRO, J. P. da, (1990) – “Pré-História: Os primeiros habitantes”, in SERRÃO, J.; MARQUES, A. H. de O. (dirs.) – Nova História de Portugal, vol. I (das Origens à Romanização), Lisboa, pp.16-52. DELGADO, M., (1982) – “Acerca da cerâmica Romana do Cabeço da Bruxa, Alpiarça”, in Portugália, n.º 2/3, Porto, pp. 71-73. FERREIRA, A. de B., (2005) – “Formas de relevo e dinâmica quaternária”, in MEDEIROS, C. A., (dir.) – Geografia de Portugal, vol. I (O ambiente físico), cap. 5., Lisboa, pp. 148- 180. KALB, P.; HÖCK, M., (1982) – “Cabeço da Bruxa, Alpiarça (Distrito de Santarém), relatório preliminar da escavação de Janeiro e Fevereiro de 1979”, in Portugália, n.º 2/3, Porto, pp.61-69. KALB, P.; HÖCK, M., (1984) – “Moron – historisch und archäollosisch”, in Madrider Mitteilungen, n.º 25, Mainz, pp. 92-102. KALB, P.; HÖCK, M., (1985a ) – Cerâmica de Alpiarça da colecção arqueológica do Museu dos Patudos e do Museu de Antropologia da Universidade do Porto e peças comparáveis de outras colecções, (Catálogo da exposição), Alpiarça. KALB, P.; HÖCK, M., (1985b ) – “Cerâmica da Senhora da Guia, Baiões e peças comparáveis do Sul de Portugal na Exposição «Cerâmica de Alpiarça», suplemento de Cerâmica de Alpiarça da colecção arqueológica do Museu dos Patudos e do Museu de Antropologia da Universidade do Porto e peças comparáveis de outras colecções, Viseu. KALB, P.; HÖCK, M., (1987) – “O Tejo na zona de Alpiarça (Idades do Bronze e do Ferro)”, in Arqueologia no Vale do Tejo, Lisboa, pp. 48-52. KALB, P.e; HÖCK, M., (1988) – “O povoamento Pré-Histórico de Alpiarça”, in Arqueologia, Porto, pp. 193-200. LEEUWAARDEN, W. van; JANSSEN, C. R., (1985) – “A preliminary palynological study peat deposits near na oppidum in the lower Tagus valley, Portugal”, in Actas da I Reunião do Quaternário Ibérico, Lisboa, pp. 225-236. LEITE DE VASCONCELLOS, J., (1905) – Religiões da Lusitania, vol. I, Lisboa, pp. 407 e seg. LEITE DE VASCONCELLOS, J., (1906) – “Estudos sobre a Época do Bronze em Portugal”, in O Archeologo Português, vol. XI, Lisboa. LEITE DE VASCONCELLOS, J., (1908) – “Estudos sobre a Época do Bronze em Portugal, in O Archeologo Português, vol. XIII, Lisboa. MARQUES, G., (1972) – “Arqueologia de Alpiarça. As estações representadas no Museu do Instituto de Antropologia do Porto”, in Trabalhos do Instituto de Antropologia Dr. Mendes Corrêa, n.º 13, Porto, 1972. MARQUES, G.; ANDRADE, M. de, (1974) –“Aspectos da Proto-História do território Português. 1 – Definição e distribuição geográfica da cultura de Alpiarça (Idade do Ferro)”, Actas do III Congresso Nacional de Arqueologia, Porto, pp. 125-148. MOLINA, F. (1978) – “Definición y sistematización del Bronce Tardío y Final en el Sudeste de la Península Ibérica”, in Cuadernos de Prehistoria de Granada, n.º 3, Granada, pp. 159- 232. PINTO, C. V.; PARREIRA, R., (1978) – “Contribuição para o estudo do Bronze Final e do Ferro Inicial a Norte do estuário do Tejo”, Actas das III Jornadas Arqueológicas, vol. I, Lisboa, pp. 145-163. POWEL, T. G. E., (1958) – The Celts, London, cap. I, pp. 15-63. RAPOSO, L.; et alii, (1985) – “A estação Acheulense final de Milharós, Vale do Forno”, in Actas da I Reunião do Quaternário Ibérico, vol. II, Lisboa, pp. 41-60. RAPOSO, L., (1987) – “A ocupação humana Paleolítica do Vale do Tejo, em território Português”, in Arqueologia do Vale do Tejo, Lisboa, pp. 11-16. RAPOSO, L., (1994) – “O Paleolítico”, in MEDINA, J. (dir.) – História de Portugal, dos tempos pré-históricos, aos nossos dias, vol. I, Lisboa, pp. 26-47. RAPOSO, L.; CARREIRA, J. R., (1986) – “Alpiarça, Milharós (Vale do Forno), in Informação Arqueológica, n.º 6 (1984), Lisboa, pp. 62-63. RUIZ ZAPATERO, G., (1983) – Los Campos de Urnas del NE da la Península Ibérica, Tese de Doutoramento em Pré-História apresentada à Universidade Complutense de Madrid (policopiada), Madrid, pp.1035-1077. RUIZ ZAPATERO, G., (1997) – “Migration Revisited. Urnfields in Iberia”, in DIAZANDREU, M; KEAY, S. (eds.) – The Archeology of Iberia. The Dynamics of Change, Londres, pp. 158-174. SERRÃO, E. da C., (1958) – “Cerâmica proto-histórica da Lapa do Fumo (Sesimbra), com ornatos coloridos e brunidos”, in Zephirus – Seminario de Arqueología de la Universidad de Salamanca, vol. IX-2, Salamanca. SERRÃO, E. da C., (1970) – As cerâmicas de “retícula bruñida” das estações arqueológicas Espanholas e com “ornatos brunidos” da Lapa do Fumo, Lisboa, pp. 3-34. SAVORY, H. N., (1968) – “Spain and Portugal”, in Ancient People and Places, n.º 61, Londres, p. 244. SAVORY, H. N., (1969) – “Espanha e Portugal” in História Mundi, n.º 14, Lisboa, p. 251. SILVA, A. M., (1999) – “Tanchoal dos Patudos (Alpiarça, Distrito de Santarém): relatório da análise dos restos ósseos”, in Conímbriga, n.º XXXVIII, Coimbra, p. 29. SILVA, A. C. da, (1993) – “A Idade do Bronze em Portugal”, in Pré-História de Portugal, Lisboa, pp. 237-293. VILAÇA, R.; et alii, (1999) – “A Necrópole de Tanchoal dos Patudos (Alpiarça, Santarém)”, in Conímbriga, n.º XXXVIII, Coimbra, pp. 5-28. ZBYSZEWSKI, G.; BREUIL, H., (1942a ) – “Les Industries Paleolithiques du Portugal”, in Comunicações dos Serviços Geológicos de Portugal, tomo XXIII, Lisboa, pp. 267-369. ZBYSZEWSKI, G.; BREUIL, H., (1942b ) – “Le guisment d’Alpiarça”, in Comunicações dos Serviços Geológicos de Portugal, tomo XXIII, Lisboa, pp. ??. ZBYSZEWSKI, G.; et alii, (1967?) – “Acerca do campo fortificado de “Chões” de Alpompé (Santarém)”, in O Arqueólogo Português, vol. ?, Lisboa, pp.49-63.

Sem comentários:

Enviar um comentário