.

.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Agressão junto aos bombeiros de Alpiarça chega a tribunal


A agressão brutal que deixou um homem de 46 anos com graves lesões neurológicas, junto ao quartel dos bombeiros de Alpiarça, vai começar a ser julgada no Tribunal de Santarém.
No banco dos réus, vai sentar-se um jovem de 22 anos, acusado pelo Ministério Público (MP) de um crime de ofensa à integridade física qualificada cometido sobre José Escada Dias, que esteve 28 dias em coma e ficou com danos cognitivos permanentes, vivendo hoje completamente dependente da família.
Recorde-se que o caso, ocorrido a 1 de agosto de 2015, começou por ser classificado como uma queda acidental que a vítima teria sofrido nas escadas de acesso ao Bar da Música, no primeiro andar do quartel dos Bombeiros Municipais de Alpiarça, onde esteve a assistir a um jogo de futebol.
Foi a GNR de Alpiarça quem começou a investigar a possibilidade de se ter tratado de uma agressão, tendo o caso transitado depois para a Polícia Judiciária (PJ).
Segundo o despacho de acusação, a que a Rede Regional teve acesso, o arguido dirigiu-se à vítima naquela noite, provocando uma discussão fútil entre ambos.
De seguida, o agressor desferiu um murro na cara de José Escada Dias, que o derrubou ao chão, e deu-lhe depois dois fortes pontapés na cabeça, deixando-o às portas da morte.
A vítima passou por duas intervenções cirúrgicas no crânio enquanto esteve internado no Hospital de São José, em Lisboa, mas recorda-se de muito pouco ou quase nada deste episódio que marcou a sua vida.

A companheira de José Escada Dias deduziu também um pedido de indemnização cível de 215 mil euros, por danos morais e por danos patrimoniais.

Sem comentários:

Enviar um comentário